CONHEÇA A HISTÓRIA DO HUMORISTA, APRESENTADOR E ESCRITOR JÔ SOARES

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Jô estava internado desde o final do último mês em São Paulo e veio a óbito aos 84 anos de idade

Morreu às 2h30 desta sexta-feira (5), aos 84 anos, o humorista, escritor e apresentador Jô Soares. O anfitrião do Programa do Jô, exibido pela TV Globo até 2016, estava hospitalizado desde o último dia 28 de julho no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para tratar de uma pneumonia.

A causa da morte de Jô ainda não foi divulgada. O enterro e velório do humorista devem ser reservados à família e amigos. No entanto, ainda não foram informados a data e o local do cerimonial.

José Eugênio Soares nasceu no Rio de Janeiro em 16 de janeiro de 1938. Filho único do empresário Orlando Heitor Soares e de Mercedes Leal Soares, ele foi estudar na Suíça aos 12 anos e ficou no país europeu até os 17. Lá, passou a se interessar por teatro e shows.

A estreia de Jô na TV aconteceu em 1958. Naquele ano, participou do programa Noite de gala e passou a escrever para o TV Mistério, que tinha no elenco Tônia Carreiro e Paulo Autran. Eles eram exibidos pela TV Rio. Na emissora, Jô esteve ainda no Noites cariocas. Em seguida, escreveu e atuou em humorísticos da TV Continental.

O humorista também trabalhou na TV Tupi, onde fez participações no Grande Teatro Tupi, do qual faziam parte nomes como Fernanda Montenegro, Ítalo Rossi, Sérgio Brito e Aldo de Maia.

O grande destaque da época foi A família trapo, exibido entre 1967 e 1971 todos os domingos. No princípio, Jô apenas escrevia o roteiro junto com Carlos Alberto de Nóbrega. Posteriormente, ele ganhou um papel na atração: o mordomo Gordon.

Após fazer parte, na década de 70, de programas como faça humor, não faça guerra; Satiricom; e O Planeta dos Homens, Jô iniciou a década de 80 com um dos principais projetos de sua carreira, o Viva o Gordo, onde interpretava diversos personagens caricatos, como o Reizinho e o Zé da Galera.

Nos últimos anos, porém, o que marcou a carreira do humorista foram os talk shows. O primeiro deles, exibido no SBT entre 1988 e 1999, foi o Jô Soares onze e meia. Após voltar para Globo, ele apresentou o Programa do Jô, que ficou no ar entre 2000 e 2016.

Além da televisão, Jô também teve atuação no teatro e na literatura. Ao todo, ele escreveu cinco livros, sendo quatro romances. O primeiro deles foi O astronauta sem regime (1983), coletânea de crônicas publicadas no jornal O Globo. Já sua obra mais famosa foi o romance O Xangô de Baker Street (1995), que liderou as listas dos mais vendidos e foi adaptado para o cinema em 2001.

No teatro, Jô ficou conhecido por seus monólogos. Entre os mais famosos figuraram Ame um gordo antes que acabe (1976) e O gordo ao vivo (1988). Já entre os espetáculos em que trabalhou como o ator, os destaques foram Auto da Compadecida e Oscar, ambos de 1961. Como diretor, ele trabalhou em peças como Soraia, Posto 2, de 1960, e Os sete gatinhos, de 1961.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

 Veja Mais

 Pesquisar

 Parceiros

 Notícias Recentes

 Clima às [live_simple_clock]